muxx


torçoille
November 11, 2009, 8:28 pm
Filed under: HAITI

telefonema

– tou, olha, tás boa?
ela responde com o mesmo entusiasmo de sempre. desemocionada. fria e cool. sem emoção na voz. como se o último telefonema tivesse sido ontem e não há quatro meses atrás. – tou, e tu?
– olha, já tiveste um torçolho? pergunta ele.
– já.
– e o que é que um gajo faz? tou com uma merda dessas desde sexta feira.
– pá… pões uma pomadinha e esperas. isso passa.
– pois… ando a fazer isso.

médica

– pá, se quiseres no fim de semana pergunto à s. o que é que podes fazer. ela diz qual é o remédio indicado.
– pois… olha… no fim de semana fui ao médico. uma senhora. haitiana. era fim de semana grande, só ela é que estava de serviço na clínica. cheguei, sentei-me, disse-lhe que tinha um torçolho. disse: torçoille e apontei com o dedo para o olho e ela percebeu. (risos dela. finalmente ele consegue-lhe arrancar a desemoção da voz). ela era tão boa tão boa que nem se levantou para ver. pegou num livro, leu rápido, uns 20 segundos, e diz:
– vous avez des alergias?
– não.
– vous avez sinusite?
– às vezes.
– allors, então tem alergias. o torçoille é uma alergia, non plus. e começa a escrever. vous alez fazer umas análisesinhas ao sangue para vermos a que é que vous etes alérgico e entretanto toma estes comprimidos (dá-me a receita). são contra as alergias. para o torçoille. depois vem cá amanhã mostrar os resultados.
– e onde é que compro os comprimidos doutora?
– ici même, aqui mesmo na nossa farmácia, no andar de baixo. e aponta para baixo.
– obrigadinha. mercis.

farmácia

– depois, chego à farmácia e pergunto se há o medicamento. dizem que não. só na farmácia do champs de mars, que tem tudo e está aberta (e que muito certamente era da prima dela). pois, mas a farmácia não tinha tudo. tinha dois frascos de betadine nas prateleiras atrás do balcão, um cartaz, umas caixas de compressas e meia dúzia de frascos dos que se compram nos aeroportos. parecia a loja do senhor arnaldo. (gargalhadas) nada!! não havia nada.
– (gargalhadas) a sério?
– sim. muito menos o que eu precisava.

médica

– sim. então, no dia a seguir, era segunda, tentei ir a outro médico. fui aos argentinos da UN (gargalhadas), que estava tudo fechado. porque era feriado. era dia… bem… dos zombies…
– dia dos quê?
– dos zombies (ele fala baixo. pensa duas vezes para não se enganar.)
– dos quê??
– dos zombies!! (ele fala alto. sim. parece-lhe mentira que não tenha dado por haver um detalhe sórdido na história).
– (gargalhadas). a sério? dos zombies? (gargalhadas)
– (gargalhadas). sim, a sério.(gargalhadas).

secretária

por esta altura já nem ele nem ela conseguiam fazer uma frase sem risos. ele chorava a rir. ela, conhecendo-a, também.
– e hoje de manhã, como já passou uma semana desde que esta merda me apareceu e está um bocado melhor mas ainda não passou, cheguei ao escritório e pedi à senhora da recepção para me marcar uma consulta com o oftalmologista. disse que não, que não ia marcar, que eu não devia ir ao médico e que por nada devia tentar fazer qualquer tratamento.
– ahhh!!

bolinha

– sim. (gargalhadas). sabes porquê? (gargalhadas)
– não. (gargalhadas). por… (gargalhadas) … quê? (gargalhadas)
– diz que os haitianos acreditam no poder do torçolho. (gargalhadas). que é uma cena que o corpo tenta expulsar. e que nunca se deve contrariar, sob risco de que o torçolho se vá alojar noutro sítio qualquer. (gargalhadas) e provou que estava certa. quando me disse isto depois sentou-se no sofá, (gargalhadas) e mostrou-me a perna, onde tem uma bolinha (gargalhadas) a cima do joelho. diz ela que aquilo é um torçolho mal parado, que foi para ali e que nunca mais passou (gargalhadas. ele mal conseguia falar. a chatice que o andava a aborrecer desde que o torçolho lhe apareceu desvaneceu-se em risos. era bom contar a história, estúpida história, a alguém que igualmente se ria dos mesmos ridículos)
– (gargalhadas)
– (gargalhadas)
– (gargalhadas)
– e pronto, andei a manhã toda a tentar ligar eu mesmo para marcar a puta da consulta. a secretária disse que não o fazia nem por nada.
– (gargalhadas)
– (gargalhadas)


4 Comments so far
Leave a comment

(gargalhadas)
MB

Comment by Anonymous

hahahahahahahahahahahahahah!!!!!!!! LINDA HISTÓRIA A DO TORÇOILLE….

O meu avô tinha torçoilles e punha uma moeda emcima do torçoille e assim andava… experimenta a andar com uma moeda…. hihihihihihi… mas tira foto porque já te estou a imaginar!!! hahahahha…

De qualquer forma aqui fica para informação de V. Exa. Monsieur Torçoille… em francês isso diz-se orgelet… nada a ver… hihihihi
mas melhor que andares nesses aprendizes de feiticeiros, para isso vai mas é à net e vê o que precisas de fazer… para além da moeda… claro… hihihihi
beijo….

Comment by rbeldissima

Quando tive em puto, também punha uma moeda! Mas tem de ser das escuras, tipo cobre.

Abraço e melhoras do torçoille.

Vai fazer comentários no entrenhos, pá!

Comment by ordep

esfrega um anel de ouro (podes pedir emprestada a alianca da secretaria, ou da medica, ou da senhora da farmacia) no torce olho. as melhoras!

Comment by a b c




Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s



%d bloggers like this: