muxx


back
November 4, 2014, 2:00 pm
Filed under: SUIÇA

coitado deste blog. sem culpa nenhuma levou por tabela. la por novembro de 2009 ainda apanhava um post ou dois. depois disso, zero. ele bem tentou. de vez em quando chamava-me por mails — este mês ninguém te leu; esta semana tiveste 0 visitas. depois começou a evitar-me. ja não dizia se eu queria aumentar o numero de leitores; menos ainda me mandava mensagens a dizer que estava na altura de escrever qualquer coisa. nunca cheguei a saber se foi o mmux que me deixou de falar ou se um dia o mandei para o spam. sem querer. sempre a lembrar-me que uns anos antes gostava de escrever.

Advertisements


walter
November 4, 2014, 1:53 pm
Filed under: BOLIVIA
trinidad 3
que grande trabalho fizemos juntos. quanta gente mora aqui? recebemos as chaves da cidade.
Comments Off on walter


deixa a torneira a correr que amanha de manha a gente da uma mergulhaca
November 19, 2012, 6:57 pm
Filed under: MALI



bamako
November 17, 2012, 3:52 pm
Filed under: MALI

image



demo crazy
November 16, 2012, 10:10 pm
Filed under: MALI


musicas
November 15, 2012, 7:57 pm
Filed under: MALI

acho que estava a procura do programa para este fim de semana num sitio em bamako, quando encontrei isto . o nome deles quer dizer desertos, dizem eles. esqueci-me dos headphones, melhor resistir a tentacao de carregar no link e me por a ouvir esta musica. nao e boa altura. ou o sitio certo… acho…



santa cruz
November 12, 2012, 7:09 pm
Filed under: MALI, TIMOR LESTE | Tags: ,

os olhos juntaram-se a uns quantos outros a hoje ver timor ao longe. nao e por acaso, uma memoria escondida veio dizer que era 12 de novembro. fui ver, era o massacre. faz anos que um rapaz chamado max se encheu de coragem e filmou tudo. e que fez o mundo incendiar-se em manifestacoes, durante muitos meses.

lia poucas noticias e para mais era verao, seis meses depois. de caminho do sul para lisboa vemos um carro com um pano branco. – fassem ichto para osh casah-mentush? perguntou a italiana. – sim, normalmente… ao sabado… com… panos mais pequenos… – oolhah, o-tro. – tens razao, deve ser um casamento. (musica, conversas). – olhah, mash saun muitosh… – sim…

a ponte estava cheia de gajos para o casah-mentush. todos parados, mas so como e habito. perguntamos aos senhores do lado o que era aquilo. – eh por timor. – vis-tesh, naun podiam ser um casah-mentush. onde eh qui eh timor? …

veio a independencia. e depois os problemas. e a solucao primeira para os problemas. e os outros antes de nos. e depois nos. depois uns anos bons, seguidos de mais problemas, da situsaun, seguidos de acalmia, e depois os outros depois de nos. e o tempo passou. passa. espero que continue tudo bem, keta halua.

nao fosse o rapaz chamado max talvez tudo tivesse acontecido na mesma, ou se calhar nao. talvez acontecesse, mas de maneira diferente e um bocado mais tarde quando nos ja estivessemos todos a trabalhar noutra coisa qualquer, tipo numa camara, ou numa empresa, ou num monte a ver as vacas passar. e ninguem soubesse que santa cruz era, bem, o que era, o sitio onde eu nao gostava de passar. e nao tivessemos ido a timor. trabalhar. sorrir. chorar. crescer. sentarmo-nos nos casah-mentush. comer arrozinho. viva o max. abracos